Pesquisar no site:

mapa ecovila_sitio_das_aguias_mini

MAPA DA ECOVILA SÍTIO DAS ÁGUIAS 

Sede Geral do
Universo Místico 

UM - Login



UM - Suas Tarefas

UM - Online

Nenhum
Home JOSÉ & LENA STEVENS
JOSE & LENA STEVENS Imprimir E-mail

Entrevista concedida a Léo Artese:

josé e lena stevensEntrevistei José Luis Stevens Ph.D. o presidente e co-fundador (com a esposa Lena Stevens) do Power Path Seminars, uma escola internacional e empresa de consultoria dedicada ao estudo e aplicação do xamanismo e da sabedoria indígena para negócios e vida cotidiana. Escritores do livro "Os Segredos do Xamanismo"

Léo Artése: Vocês poderiam compartilhar algo sobre passado: a infância, família, educação?

José Stevens: Eu nasci e cresci em Hollywood, Califórnia com o meu irmão mais velho. Meu pai era um americano, um homem de iluminação para a indústria do entretenimento e minha mãe era mexicana, ilustradora do jornal Times. Quando criança, eu passei uma grande parte do tempo com a minha avó que me contava histórias do Antiigo México. Ela cresceu numa fazenda onde haviam muitos Huichol, Tarahumara, Yaque e outros povos indígenas . Ela aprendeu muito sobre seus caminhos xamânicos, métodos de cura, feitiçaria e assim por diante . Eu aprendi muito com ela.

Meu pai era cientista cristão, mas por minha mãe ser católica, estudei numa escola primária católica dirigida por freiras, um colégio Jesuíta e, consesquentemente numa universidade jesuíta para conquistar o grau de bacharel. Quando criança fui um católico devoto. Aprendi com o meu pai que era também Maçom, sobre como a mente afeta a realidade. Embora vivêssemos em Hollywood, passei a maior parte da minha infância ao ar livre subindo em árvores, brincando no quintal, e criando animais de estimação. Foi o lugar onde fui mais feliz.

Lena Stevens: Eu fui criada por uma mãe sueca e pai russo. Ambas as culturas ofereciam histórias de magia e xamanismoda para crianças ; animais de poder, forças da natureza, Baba Yaga etc Eu sempre me senti um pouco diferente dos outros, os meus pais eram considerados artistas boêmios e não-conformistas.

Léo: Como o xamanismo chegou na vida de vocês?

Jose: Após a morte de minha avó aos quatorze anos, conheci um nativo americano chamado Brave Heart, um amigo de meus pais. Ele trabalhou na indústria do cinema e eu aprendi algumas coisas dele. No entanto, foi na escola de pós-graduação no California Institute of Integral Studies, em San Francisco que estudei o xamanismo formalmente. Eu fiz a minha tese de doutorado sobre a relação entre xamanismo e psicoterapia. Em especial, estudei os sonhos das pessoas pelo seu conteúdo xamânico.

Logo após graduar-me com meu doutorado, minha esposa Lena e eu conhecemos Huichol Maracame, um xamã que nós gostamos muito. Ele se ofereceu para nos ensinar, mas insistiu que tínhamos que deveríamos ir ao México, para cerimônias peyote, por cinco anos. Nós nos tornamos seus aprendizes e cinco anos tornaram-se dez anos até que, para nossa grande tristeza, morreu de câncer ósseo. Este foi um legado do trabalho nos campos de tabaco contaminados com pesticidas, um destino que huichols sofrem até hoje.

No início da década de 1990, ocorreram uma série de eventos e várias conexões, encontramos xamãs Shipibo na região amazônica do Peru e estamos estudando com eles desde então. Da mesma forma que estudamos com Paqos e os povos Q’ero que vivem no alto dos Andes do Peru. Existe um equilíbrio maravilhoso entre os medicamentos das plantas da Amazônia e a medicina das rochas andinas.

Lena: Há mais de 20 anos comecei a estudar a energia de cura e treinamento psíquico. O que me levou ao xamanismo foi um grupo de mulheres tocando tambores com José, e sendo aprendiz de 10 anos, do xamã Huichol e, desde então, com muitos xamãs de diferentes partes do mundo

Léo: Poderiam descrever suas atividades principais?

José: Nós temos um estilo de vida extremamente variado neste momento. Ambos realizamos trabalhos de cura, eu dou consultoria (coach) com a sabedoria indígena para empresas, palestras, seminários, ministro aulas para nossos alunos no programa de xamanismo (dois anos), cerimônias levamos grupos de para vários lugares como Peru e México, para fazerem trabalhos xamânicos. Minha vida nunca é chata e eu me considero muito feliz de fazer o trabalho que eu faço e que amo tanto.

Lena: Minha especialidade é cerimônia e o canto cerimonial. Juntamente com José eu também crio o espaço para os nossos alunos explorarem o seu próprio caminho xamânico.

Léo: Em seus estudos com os Shipibos, tiveram experiências com a ayahuasca? Vocês poderiam compartilhar?

José: Sim, o povo Shipibo usa a Ayahuasca e já tomamos este medicamento com eles centenas de vezes. Eles são considerados um dos povos xamânicos mais experientes do Alto Amazonas, fomos treinados no seu estilo.

Como você sabe é uma medicina muito forte e só deve ser usada dentro de um contexto cerimonial, de cura e sob a supervisão de um ayahuasqueiro treinado.

É um enteógeno poderoso, visionário e tem um intenso potencial terapêutico. Por exemplo, eu testemunhei um viciado em heroína ser curado em uma sessão com a ayahuasca. Tenho visto muitas outras soluções milagrosas, mas também aprendi que não é para todos. Uma pessoa tem de estar pronta, ter um certo grau de maturidade emocional e estar aberta para a cura, para que funcione.

Lena: Nós fizemos uma amizade muito estreita com eles. Sua tradição cerimonial ensinou-me pessoalmente muito sobre as canções, a cura através da musica.

Léo: Você acha que o trabalho xamânico pode realmente "curar" as pessoas? Como?

José: Não tenho nenhuma dúvida de que o trabalho xamânico pode curar as pessoas rapidamente, desde que estejam prontas. Eu mesmo tive a cura instantânea sob os cuidados de um xamã altamente competente. Uma vez, um xamã extraiu um pequeno tumor na minha virilha simplesmente cantando um icaro (canção sagrada) sobre ele e soprando fumaça de tabaco sobre ele. Em outra oportunidade um xamã baixou uma febre alta e dor de garganta, em questão de minutos, utilizando um método semelhante. Não há nenhuma maneira que você possa discordar quando experimenta diretamente.

Lena: Eu pessoalmente tenho testemunhado mudanças tremendas e profundas nas pessoas através da experiência xamânica, onde outros métodos falharam. Se eu estivesse ameaçada por uma grave doença ou condição, a primeira coisa que gostaria de fazer é procurara ajuda xamânica.

josé e lena stevensLéo: Como o xamanismo pode ajudar no negócio?

José: Esta é uma pergunta muito boa, porque você pode pensar que não há nada em comum, mas existe. Primeiro deixe-me dizer que o negócio é uma das forças mais poderosas no mundo atual. Tem muito a ver com o poder e como as pessoas que cooperam entre si fazem para alcançar objetivos comuns. Isto também é verdade do xamanismo. Por dezenas de milhares de anos tem sido uma das forças mais poderosas do mundo. Também não teríamos sucesso nesta corrida humana se não fossem os xamãs poderosos que nos facilitaram. Portanto estas duas forças são feitas colaborar para trabalharem juntas e para ajudar-nos a chegar onde queremos.

Tanto o negócio, como o xamanismo, tornou-se abusivo nas mãos de pessoas inescrupulosas. Há uma cura necessária. Os maias dizem que o futuro pertence à união entre a sabedoria indígena antiga com a moderna ciência e tecnologia. Acredito que é absolutamente a verdade ara o negócio também. O futuro do negócio pertence a união entre a sabedoria antiga de todo o mundo e a sabedoria positiva da futura prática de negócios. Devemos aprender como respeitar o Espírito da Terra e como fornecer bens e serviços em equilíbrio e harmonia.

O acúmulo e uso do poder no negócio é como o xamanismo. Um pode fecundar a outro, mostrando como isso pode ser feito corretamente para o ganho de todos.

Lena: Eu tenho usado práticas xamânicas no negócio com muito sucesso e isto é algo que ensino. Ele dá uma estrutura a tudo na vida, inclusive nos negócios, por ser prático e eficaz

Léo: Conte-nos sobre a Escola de Xamanismo

Jose: A Escola de Xamanismo oferece programas para as pessoas se familiarizem com a abordagem xamânica na vida, aprenderem ferramentas e métodos xamânicos para tornarem-se mais eficazes e transformarem-se a si mesmos de forma satisfatória. Sabemos que o xamanismo nunca foi ensinado nas escolas, porque é realmente um trabalho de campo realizado pelos xamãs e seus aprendizes. No entanto muitas pessoas hoje querem saber mais sobre o xamanismo, mas não têm a menor idéia por onde começar. Então, nós fornecemos um contexto para o processo começar. Apresentamos-lhes uma variedade de xamãs de diversas culturas, pessoas que temos acompanhado e aprendendo a confiar.

Alguns dos nossos alunos se aprofundaram e tornaram-se profissionais, enquanto alguns estão satisfeitos com uma introdução. Não fornecemos certificados e não chamamos qualquer um de pajé porque fez nossos cursos. Nós não nos chamamos xamãs. Somos os alunos ao longo do xamanismo e compartilhamos o que temos aprendido com os outros.

Léo: Como vê a expansão do xamanismo contemporâneo por profissionais ocidentais?

José: Esta é uma questão complexa. Por um lado é inevitável e o que nos permitirá avançar em nosso futuro. Por outro lado, é preocupante com potencial de abuso e de incompreensão.

Há muitos lá fora hoje quem se chamam xamãs que não nascem com mais semelhança a um xamã do que um pinguim de um urso. Há aqueles que só são interessados nas artes escuras, o potencial para prejudicar outros. Há também muita confusão sobre doutrina religiosa e prática xamânica.

Contudo estes desafios sempre haverão, assim não há como evitar e ajudando a espalhar o xamanismo real de volta ao mundo em liberdade

Léo: Quando você acha que uma pessoa está pronta para dirigir uma sessão de xamanismo? Existem habilidades fundamentais que deve ter para guiar os outros?

José: Não há uma resposta exata para essa questão, algumas pessoas são muito maduras espiritualmente e podem ter tido muitas vidas anteriores como xamãs. Eles são naturais e apresentam grande capacidade e integridade. Outros são novos para a prática e em certo sentido são atraídos para a mística, os poderes, sensualidade e de chamarem-se um xamã.

Temos visto muitos desses tipos deixar pessoas em apuros porque simplesmente elas não sabem discernir entre xamãs poderosos e charlatães querendo seu dinheiro e prejudicá-los. As vezes recebemos pessoas que foram humilhadas pelas suas experiências. Agora eles estão prontos para aprender.

O caminho xamânico é e sempre será long,o tem de crescer nele ou ser treinado por muitos anos para dominar a filosofia e as técnicas O que aprendemos é que o verdadeiro poder por trás do xamanismo é a humildade e integridade. Sem estes, não há nada.

Lena: Nos vemos como uma ponte, ligando as velhas formas tradicionais do xamanismo com as novas práticas do xamanismo contemporâneo . Para ser efetivamente utilizado no dia-a-dia, uma prática de xamanismo tem de ser adaptada ao cotidiano da cultura.

Léo: Qual a sua opinião sobre a política proibicionista do uso de determinadas substâncias psicoativas?

Jose: Existem plantas medicinais extremamente perigosas que pode até matar uma pessoa muito se não forem tomadas de acordo com um protocolo xamânico exato.

A datura é uma planta que eu tenho visto ter resultados mortais de seus abusos. Há também as preparações variadas de plantas. Nem toda a Ayahuasca vem da mesma receita e alguns xamãs colocam muitas plantas dentro dela, alguns usam datura . Como isso pode ser regulamentada? Eu não sei.

Enquanto eu não acredito em métodos atuais de controle do governo sobre plantas enteógenas eu acredito que há necessidade de orientações para proteger as pessoas de sua própria ignorância e de pessoas sem escrúpulos que possam prejudicar os outros em benefício próprio. Esta é uma questão espinhosa. Como será a melhor forma? Eu não tenho as respostas, mas eu sei que as atuais medidas draconianas, não são apenas ineficazes, mas realmente criam um problema maior a longo prazo. Você não pode legislar sobre alterações na consciência. Você só pode proporcionar educação e talvez algumas estruturas mais seguras para que elas possam ser usadas de forma segura e produtiva.

josé e lena stevensLéo: Como você vê a relação entre xamanismo e terapia?

José: Esta é uma grande questão. Há muito espaço no xamanismo para a terapia. Xamãs ao longo dos tempos têm sido excelentes psicólogos, usam a hipnose, o poder da sugestão, aconselhamento, orientação e ensino. Eles sabem o poder das palavras para manipular, mudança e transformação. No entanto, o xamanismo e as várias formas de psicoterapia não são a mesma coisa. Psicoterapia acredita na mudança ao longo do tempo ao passo que o xamanismo oferece uma cura mais rápida através de uma cerimônia ou um tratamento xamânico de recuperação da alma ou purificando os ares (limpeza astral)

Há muitas áreas em comum e muitas diferenças também. Às vezes, psicoterapeutas que também treinar com os xamãs sentem que devem escolher um único caminho. Eu não me sinto assim. Eu tenho encontrado formas de integrar as duas formas de trabalhar na minha própria prática. Um pouco de um e um pouco do outro.

Léo: Como você acha que o xamanismo pode nos ajudar a lidar com a atual crise ecológica em nosso mundo?

Jose: O xamanismo é uma filosofia de vida que ensina a interdependência da vida, a cooperação com os elementos, e trabalhar com os poderes da natureza para viver harmoniosamente e bem, tudo isto no contexto de integridade e respeito. Como não poderia este ser bom para o planeta? É o único caminho viável para viver ou tomarmos as terríveis consequências de não fazê-lo. Temos simplesmente que ouvir e olhar. Isto é muito simples quando a nossa visão não é obscurecida por comerciais e agendas políticas. A verdadeira questão é como lidar com a sedução do ego. O ego não é natural e, portanto, não quer ter nada a ver com a escuta da natureza. Ele quer controlar. Essa era está agora morta, mas nem todo o povo tem notado ainda. Logo a maioria vai porque o tempo já se esgotou para o velho paradigma.

Antigos líderes da alma e das pessoas sabem que devem continuar com coragem, pois seu dia chegou. Eles não devem ser desencorajados pelas aparências presentes. Nunca aceite a aparência da superfície das coisas, ensina o Xamanismo. Vá, em vez disso, com o conhecimento interior e nada pode pará-lo. Deste modo o planeta vai certo por si mesmo

Léo: É possível reverter a poluição ambiental, através de métodos espirituais?

José: Esta pergunta requer uma compreensão da física quântica. Xamanismo sempre lidou diretamente com o espírito do mundo, o que os cientistas chamam agora de campo quântico, e que os hindus chamam de Akasha. Neste nível essencial todas as coisas podem ser transformadas, porque é a fonte da qual todas as coisas vêm. As nossas mentes são projetadas para inter-relacionar e fora disto vem a narrativa do que chamamos a nossa realidade.

Se quisermos transformar o nosso mundo temos de modificar a narrativa, aplicar técnicas xamânicas que ajudam a criar uma nova narrativa, um novo sonho para o planeta e para nós mesmos. Já vimos limpeza em massa de águas poluídas usando métodos xamânicos antigos e simples. Este é apenas o começo.

Temos de parar de ver a nossa realidade de forma tão concreta. Sri Aurobindo, o grande mestre hindu, situa as leis do universo como sugestões. Xamanicamente falando, isso é totalmente verdade. O ambiente é um espelho das nossas mentes e é muito mais um sonho, perfumado e delicado, saboroso e sentimental. Quando limparmos a nossa mente, então podemos começar a limpar o ambiente. Não vai demorar muito, uma vez que já começamos. Tudo é possível, uma vez que alinhemos com o Espírito.

Léo: Você já visitou o Brasil?

Jose: Nenhum de nós nunca foi ao Brasil. O nosso trabalho nos levou para a costa oeste da América do Sul, Equador, Peru e Argentina. No entanto, tem sido um sonho nosso ir para o Brasil. Desde que nós podemos conviver em espanhol foi mais fácil trabalhar em países latinos, mas isso não é impedimento real. Nós precisamos é de um contato e um convite.

Léo: Gostaria de dar uma mensagem final para os praticantes brasileiros do xamanismo?

José: Vocês estão envolvidos na mais antiga e nobre das buscas. O caminho xamânico pode levar à iluminação, se você seguir este caminho com o coração, o que significa, integridade e respeito. Você não pode enganar o Espírito. Não existem atalhos e não há lugar para o ego.

Nem tudo sobre as práticas xamânicas é ainda conhecido. Não é um produto acabado. Você está em uma grande aventura da descoberta. Não deixe ninguém lhe dizer que você não pode fazer. O futuro do mundo está em suas mãos, mas você deve cooperar e ter interface com a ciência e os negócios e deixar os grandes desafios torná-los fortes.

Muitas bênçãos para você.

Jose Luis Stevens e Lena Stevens

Léo: Caro José e Lena, muito obrigado pelo tempo e atenção. Foi ótimo conversar com vocês e aprender com suas experiências.

 

Reflita

Ser humilde com os superiores é uma obrigação, com os colegas é uma cortesia, com os inferiores é uma nobreza.

Benjamin Franklin